quinta-feira, 29 de Abril de 2010

Fazer amor

Quando fazer amor?

     Não há uma idade própria para fazer amor, apesar de biologicamente ser possível faze-lo a partir da puberdade. Em média a primeira relação sexual ocorre entre os dezasseis e os dezassete anos (o que significa que alguns fazem aos 14 e outros aos 20!). Tudo depende dos conhecimentos, da maturidade física e psíquica de cada um.




Os receios e os medos


A dor nas raparigas

       Para as raparigas, o maior receio em relação à “primeira vez” é que doa. Mas, com excepção de alguns casos raros de hímens particularmente rígidos, esta pequena membrana não faz verdadeiramente doer quando se rompe. Aquelas que estão muito nervosas por causa disso acabam por sofrer muito mais em relação às que estão descontraídas, pois controlam muito melhor o seu corpo e as suas emoções.


A angústia nos rapazes

        Para os rapazes, o maior receio é mesmo em relação ao desempenho. Mas se algo correr mal, não vale a pena dramatizar sobre o assunto, a verdade é que não há amantes maus nem parceiros incapazes, apenas dois adolescentes inquietos e incapazes de controlar as suas emoções.
Também há rapazes que têm medo de se sentir mal, mas não há razão para isso, ao contrário das raparigas, os rapazes não sofrem qualquer transformação no corpo.

Problemas da Adolescência

Hoje iniciam-se as publicações sobre os problemas da adolescência, entre os quais se destacam os distúrbios alimentares, a depressão, o álcool e drogas. Aproveitamos para relembrar que os melhores comentários serão seleccionados e ficarão habilitados a um prémio final! :D


  • Anorexia Nervosa
A anorexia nervosa é um transtorno alimentar caracterizado por uma rígida e insuficiente dieta alimentar e, portanto, baixo peso corporal. É uma doença complexa, envolvendo componentes psicológicos, fisiológicos e sociais.

Anorexia significa "falta de apetite" mas, na realidade, ocorre uma negação consciente para se alimentar e, com o decorrer do tempo, a falta de apetite concretiza-se. Os anoréxicos fazem de tudo para anular seu apetite e consequentemente emagrecerem, e quanto mais emagrecem, mais se sentem gordos, desenvolvendo um ciclo vicioso que pode ser fatal.

Sinais e Sintomas

- Medo de engordar intenso e irracional;
- Negação quando questionado sobre o transtorno;
- Restrição da alimentação;
- Perda excessiva de peso (Peso corporal em 85% ou menos do nível normal);
- Prática excessiva de exercício físico;
- Os períodos menstruais tornam-se irregulares ou mesmo inexistentes;
- Ansiedade e Irritabilidade;
- Intolerância ao frio

Causas
A anorexia tem início, habitualmente, na adolescência, mas pode ter início na infância ou, posteriormente, dos 20 aos 40 anos de idade.


Factores de Risco:
- Raparigas oriundas de meios socioeconómicos e culturais mais elevados e diferenciados têm uma maior incidência desta perturbação.
- Pessoas com tendência para o perfeccionismo intelectual.
- Ocorrência de anteriores eventos traumáticos, como rejeição familiar ou abuso físico e/ou sexual
- Influência da comunicação social, em termos de definições de padrões estéticos baseados na magreza.
- Profissões de risco, como bailarinas, atletas olímpicos, entre outros,

É comum a anorexia ter início nas vulgares dietas que os adolescentes fazem. O quadro avança para anorexia quando a dieta e a perda de peso subsistem até que a pessoa atinge níveis de peso muito inferiores aos esperados para a sua idade, perdendo a autocrítica sobre a situação.

Complicações Médicas

- Amenorreia;
- Bradicardia (menos de 60 batimentos por minuto);
- Hipotermia;
- Hiperactividade física;
- Vómitos;
- Desnutrição e Desidratação;
- Anemia e Osteoporose
- Atrofia muscular
- Hipotensão arterial

A anorexia mental pode ser considerada como moderada se o Índice de Massa Corporal (IMC) rondar os 17,5; severa se ele for inferior a 15 e crítica se a anorexia se acompanhar de um IMC à volta de 12,5.


"Uma imagem vale mais que mil palavras"














  • Bulimia Nervosa

A Bulimia Nervosa é um Transtorno Alimentar que se caracteriza pela ingestão de grandes quantidades de alimentos (episódios de comer compulsivo ou episódios bulímicos), seguidos por métodos compensatórios, tais como vómitos auto induzidos, uso de laxantes e/ou diuréticos e prática de exercícios extenuantes, como forma de evitar o ganho de peso pelo medo exagerado de engordar.

Sinais de Bulimia

- Esconder a comida reservada para episódios de voracidade (incluindo frequentemente pão, massa, doces, sobremesas, batatas fritas e gelados);
- Mentir sobre o que comeram;
- Vomitar em segredo;
- Deixar a água da torneira ou do duche a correr na casa de banho para disfarçar os episódios de purgação;
- Comer compulsivamente em segredo;
- Esconder produtos como laxantes ou diuréticos;
- Demonstrar uma preocupação excessiva em relação ao peso, forma do corpo e aspecto em geral;
- Queixas frequentes em relação a dores de garganta (causadas pelos repetidos vómitos);
- Queixas frequentes em relação a problemas dentários (causados igualmente pelos repetidos vómitos);
- Esconder-se atrás de roupas largas e soltas;

Causas


Tal como na anorexia nervosa, a bulimia nervosa é um síndrome determinado por vários factores. A ênfase cultural da aparência física pode ser um dos principais agentes envolvidos no desencadear deste distúrbio, assim como problemas familiares, baixa auto-estima e conflitos de identidade.

Complicações Médicas
- Inflamação na garganta (inflamação do tecido que reveste o esófago pelos efeitos do vómito);
- Face inchada e dolorida (inflamação nas glândulas salivares);
- Cáries e lesão do esmalte dentário. Desidratação;
- Desequilíbrio electrolítico;
- Vómitos com sangue;
- Dores musculares e Cãibras

Se um indivíduo come em excesso e purga durante um episódio de anorexia, considera-se, então, que sofre de Anorexia do Tipo Compulsivo e Purgativo.


No entanto, se for diagnosticada bulimia, será necessário determinar um subtipo:
- A Bulimia Nervosa do Tipo Purgativo é diagnosticada quando um bulímico purga para libertar o corpo de comida;
- Bulimia Nervosa do Tipo Não-Purgativo é diagnosticada quando o bulímico não purga para libertar o corpo de comida, mas faz exercício ou jejua em excesso após comer compulsivamente.

 
 


quarta-feira, 28 de Abril de 2010

Proteger o corpo - métodos contraceptivos

Contracepção, o que é?

Conjunto de métodos utilizados para provocar, durante um certo período, a infecundidade no homem ou na mulher. Esses métodos podem ser:

-naturais;
-físicos;
-químicos;
-cirúrgicos.

Métodos naturais - são assim chamados porque não existe realmente alguma coisa que impeça a gravidez, são um conhecimento que a mulher tem do seu corpo que lhe permite saber qual o seu período fértil e durante esse período não ter relações sexuais. Estes métodos são:



Método do calendário
Baseia-se no cálculo do período fértil da mulher e na abstenção durante esse período, no entanto, diferentes factores como o stress, podem atrasar ou antecipar a ovulação, alterando assim o cálculo correspondente ao período fértil.



Método do muco servical
Consiste na medição do comprimento do muco serviçal ao longo do ciclo ovárico, durante a ovulação o muco serviçal atinge o seu comprimento máximo (15-20 cm), nessa altura o casal não pode ter relações sexuais. Diferentes factores como infecções vaginais e medicamentos podem afectar o padrão normal de secreções da mulher, alterando assim a detecção do período fértil.



Método da temperatura
Consiste na medição da temperatura todos os dias e à mesma hora. Durante a ovulação detecta-se uma acentuada descida de temperatura, durante esse período que o casal deve abster-se de relações sexuais. Este método não é muito seguro porque há vários factores que podem alterar a temperatura basal do corpo da mulher.






Métodos físicos - são assim chamados porque impedem fisicamente o encontro do oócito e do espermatozóide, dividem-se em:



Preservativo
Método que consiste na colocação de um pequeno “saco” impermeável que vai impedir os espermatozóides de encontrar o oócito. No caso do preservativo masculino, este coloca-se no pénis quando este está erecto, no caso do preservativo feminino é colocado na vagina. Este é o único método que impede a propagação de doenças sexualmente transmissíveis. O preservativo feminino é mais seguro que o masculino, este último pode romper durante o acto sexual, no entanto o preservativo feminino não é comercializado em Portugal.


DIU
Ou dispositivo intra-uterino consiste numa pequena peça de plástico que é inserida no útero, impedindo a fixação do oócito. A colocação deste dispositivo é feita por um médico e tem um prazo de validade de 5 anos. Se mal colocado, pode provocar inflamações.


Diafragma
É uma membrana de borracha que é colocada na vagina bloqueando a entrada de espermatozóides. Pode ser utilizado durante 1 a 3 anos e não interfere com o acto sexual. Por outro lado, há algum risco de infecções e verificou-se que algumas mulheres são alérgicas.




Métodos químicos - assim chamados porque libertam hormonas que impedem a fecundação. Estes métodos dividem-se em:


Contraceptivo hormonal injectável
Consiste em injecções de 3 em 3 meses de hormonas femininas (progesterona e estrogénio) que impedem a ovulação. São muito eficazes e eduzem o risco de infecções e cancro. Como efeitos secundários podem provocar: enxaquecas, perda de cabelo e aumento de peso.


Pílula e minipílula
É um método contraceptivo oral que consiste, tal como o contraceptivo hormonal injectável, na toma de hormonas femininas que vão impedir a ovulação. A diferença entre a pílula e a minipílula é que a segunda tem quantidades muito baixas de progesterona e por isso é mais falível. Como efeitos secundários temos: aumento do peso, enxaquecas, retenção de líquidos, entre outros e nem todas as mulher podem tomar.

Adesivo contraceptivo Tem a mesma função da pílula, só que em vez de ser tomado, é colado na pele e posteriormente vai absorver as hormonas. Os efeitos secundários são os mesmos que os da pílula acrescentando que o adesivo pode sair facilmente, o que o torna mais falível.



Implante contraceptivo
Corresponde a uma pequena cápsula que é inserida sob a pele do braço e que liberta hormonas femininas que vão impedir a ovulação. Podem durar até cinco anos. Pode causar: dores de cabeça, náuseas e instabilidade no ciclo menstrual.




Espermicidas
Gel ou creme que é introduzido na vagina antes do acto sexual e que destrói ou incapacita os espermatozóides. Não é muito eficaz e pode causar alergias.



Métodos cirurgicos - são métodos definitivos que são realizados por um médico e podem ser femininos ou masculinos.



Vasectomia
Consiste numa intervenção cirúrgica ao homem, na qual se retira uma porção de cada canal deferente, impedindo assim que os espermatozóides saiam dos testículos, continua a produzir-se esperma mas este não tem espermatozóides e por isso a eficácia é de praticamente 100%.


Laqueação de trompas
Consiste numa intervenção cirúrgica à mulher, em que o médico dá um nó nas trompas de Falópio fazendo com que seja impossível a saída dos oócitos dos ovários. A eficácia deste método é de 100%.

Os estudos e a tua vocação

Problemas escolares





  • É frequente, na adolescência, haver uma notória perda de interesse pelos estudos. O adolescente desperta para uma nova série de possibilidades. Quer mostrar-se seguro e independente e quer viver sensações diferentes.




  • Outras vezes, o adolescente fracassa nos estudos para chamar a atenção dos pais. O adolescente sabe que, ao levar más notas para casa, os pais vão preocupar-se com ele.


Os principais problemas escolares devem-se a:
  1. Perda de auto-estima;


  2. A pressão do grupo;
  3. Imaturidade;


  4. Técnicas de estudo.


Estudar pode ser um prazer se:



  • Fizeres uma planificação - O tempo de estudo e de trabalho fora das aulas terá que ser cuidadosamente programado;



  • Se tivesses uma sessão de estudo - É preciso programar bem o que vais fazer nas ou horas de estudo que vais fazer;



  • Tiveres atenção às condições ambientais - procura estudar sempre num sítio calmo, sossegado e sem barulho;



  • Se fizeres esquemas, resumos e sublinhados;



  • Sempre que precisares podes pedir ajuda aos teus pais.





Como fazer um bom estudo


A preparação:


• Aponta os dias dos testes;
• Faz um bom plano de estudo;
• Estuda de maneira atractiva;
• Aprende mais que o indispensável;
• Pratica em condições semelhantes ao teste;
• Tira as dúvidas com o teu professor;
• Dorme o suficiente;
• Alimenta-te bem.

No dia do teste:

• Chega a horas;
• Respira profundamente;
• Lê as instruções e as perguntas cuidadosamente;
• Planifica o teste;
• Reserva uns minutos, no fim, para reveres o teste.


Vocações

É na adolescência que temos de tomar grandes decisões,de entre as quais podemos destacar a tomada de decisão em relação ao futuro, ou seja a escolha de um curso, de uma vocação.

O processo que permite determinar a vocação é um processo longo e complexo. O papel do adolescente é agora muito mais difícil que antigamente. No passado, as opções eram poucas e estavam limitadas a uma região geográfica específica. Hoje em dia, com o avanço das tecnologias existem várias possibilidades que podemos escolhar.

O desenvolvimento da vocação começa numa idade muito jovem (6-7anos) e prolonga-se até que o jovem começa a trabalhar.

O desenvolvimento da vocação envolve 3 etapas:



  1. Etapa da fantasia: a criança sonha com uma profissão atractiva;









  2. Etapa da tentativa: Constitui uma tentativa mais séria de elaborar um projecto de futuro;









  3. Etapa realista: Ocorre por volta dos 18 anos, e é nesta altura que ocorrem as maiores indecisões.
Mas a escolha vocacional pode não se dar por terminada neste momento. A partir de agora o jovem - adulto estará em constante actividade explorando diferentes possibilidades.
Existem vários factores que afectam a escolha da vocação, entre os quais podemos destacar:




  • Pessoal;



  • Ambiental;



  • Educativo;



  • Laboral;
O papel dos pais na vocação dos filhos

Normalmente os jovens têm preferências consoante a educação que tiveram, consoante o que os pais mais lhe falaram e mostraram.
Apesar de tudo, há muitos casos em que os filhos tomam decisões profissionais muito diferentes das que os pais desejaram que tivessem tomado.
Nesta fase, os pais devem aconselhar e recomendar o que acham melhor para os seus filhos, mas devem permanecer de mente aberta a outras possibilidades que possam também ser válidas.

Os Desafios da Adolescência


  • Adaptar-se à sua nova imagem. O adolescente sofre transformações físicas significativas, às quais se tem de habituar de forma progressiva.

  • Ajustar-se à sua nova capacidade mental. Graças às suas novas capacidades intelectuais, o jovem inicia uma análise dos feitos de modo mais abstracto e maduro.

  • Lidar com as exigências escolares. No âmbito das matérias de estudo, o adolescente adquire conceitos cada vez mais complexos. Como tal, este deve estar preparado para os assimilar e para responder com maturidade à análise e exposição das matérias.

  • Avançar no repertório verbal. A fim de exprimir por palavras o seu pensamento, cada vez mais complexo, o jovem tem de adquirir mais elaborado.

  • Adquirir uma identidade pessoal. O jovem, não estando satisfeito com uma identidade associada à família, necessita de afirmar a sua individualidade.

  • Estabelecer metas vocacionais. O adolescente deve procurar definir o tipo de profissão desejada, a fim de determinar a escolha do tipo de estudos.

  • Afirmar a sua independência em relação aos pais. O jovem precisa de afirmar a sua independência psicológica e emocional dos pais, o que origina, geralmente, confrontos entre estes e os filhos.

  • Estabelecer relações de amizade sólidas. É muito importante para o adolescente que este se integre num grupo e que aprenda a conviver naturalmente com os membros do sexo oposto.

  • Aprender a controlar a sexualidade. Nesta etapa da vida, o jovem tem de tomar várias decisões importantes referentes à sua conduta sexual.

  • Abraçar um estilo de vida correcto. Os ensinamentos dos pais são um ponto de partida, mas não são suficientes. O jovem deve, por isso, fundamentar os seus próprios valores em princípios seguros e firmes e adquirir um novo estilo de vida de pessoa responsável e adulta.

  • Controlar os seus impulsos e exercer maturidade de conduta. O adolescente deve procurar adquirir capacidades para controlar os seus impulsos.

A Amizade




“A amizade para os adolescentes – segundo eles mesmos – está entre as coisas mais importantes do seu mundo”
Para Adolescentes e Pais

A amizade é um sentimento recíproco de simpatia e afeição que implica uma necessária complementaridade entre duas pessoas mas também uma certa semelhança. O jovem procura reencontrar-se no outro e obter gratificação: escolher um amigo é também ser escolhido, ser preferido, reconhecido no seu valor e na sua pessoa, o que é primordial na procura identitária.
A amizade protege contra o risco de se sentir desvalorizado e de se depreciar. Os amigos dão um novo sentido à vida do adolescente, ajudando-o inclusive a construir um novo universo de valores e a reconstruir-se e reestruturar-se depois das perturbações que sofreu. Acreditando ter perdido o apoio da família, é junto deles que o jovem encontra conforto e apoio. Com a sua presença, a sua qualidade de ouvinte, compreensão e disponibilidade vão dar-lhe a aprovação que deixou de encontrar nos pais.






  • O que Caracteriza a Amizade?

    As amizades entre os jovens possuem um conjunto de características particulares:
    Ø Intimidade – conhecimento profundo do outro (personalidade, angústias, inquietações). Este conceito remete para a partilha recíproca dos sentimentos e para o facto de cada um informar o outro de tudo o que é relativo à sua vida.
    Ø Sensibilidade – na origem da partilha e da escuta está a sensibilidade aos desejos e necessidades dos outros, constituindo, por isso, um dos fundamentos da intimidade.
    Ø Semelhança e Complementaridade – estas duas características observam-se nas atitudes e nos gostos que os adolescentes têm em comum: linguagens, música, vestuário, entre outros. Permitem reconhecerem-se um no outro, induzindo um clima de segurança e de confiança, o qual é desejado pelo jovem.
    Ø Estabilidade – esta característica permite a distinção entre a amizade e a amizade da simples “camaradagem” e é mais acentuada nas raparigas que nos rapazes, sendo acompanhada pela limitação do círculo de amigos.


terça-feira, 27 de Abril de 2010

O adolescente e a família


Existem dois tipos de adolescentes, aqueles que se mostram independentes e aparentemente seguros de si mesmos e aqueles que deixam de ser comunicativos.

Consequentemente, os pais necessitam de mudar as técnicas de disciplina. É altura de falar com raciocínio e, sobretudo, de ouvir. É altura de chegar a acordos, de consentir liberdades pouco a pouco.

Isto não implica deixa-los fazer o que querem quando não é correcto. Trata-se de delimitar o que se espera do adolescente, ou seja, trata-se de dar prioridade às suas tarefas escolares, que se ocupe de alguns trabalhos domésticos, que fale e trate com gentileza e simpatia outros membros da família, que não chegue a casa depois da hora combinada e, principalmente, que não desrespeite.

Para manter uma boa relação com o adolescente é imprescindível estabelecer uma amizade autêntica.

O adolescente aceita mais facilmente um conselho de um amigo do que dos pais.

segunda-feira, 26 de Abril de 2010

Caracteres Sexuais Secundários


Durante a puberdade desenvolvem-se os caracteres sexuais secundários.


No rapaz (10-14anos):
- 1ºEjaculação;
- Crescimento do pénis e dos testículos;
- Aparecimento de pêlos na zona púbica, nas axilas, no rosto e no peito;
- Crescimento acelerado;
- Aumento dos músculos;
- A voz torna-se mais grave;
- Mudança de pele.
Na rapariga (9-13anos):
- Desenvolvimento dos seios;
- Aumento do peso e da altura;
- Aparecimento de pêlos na zona´púbica e nas axilas;
- Aumento da bacia;
- Ocorre a 1ºmenstruação;
- Mudança de pele.

A Adolescência

Tal como prometido, hoje iniciam-se as publicações sobre a Adolescência. Ao longo de toda a semana serão abordados temas como a amizade, a família, a alimentação, a sexualidade, entre muitos outros. Estaremos ao teu dispor para esclarecer todas as tuas dúvidas! :D


Mas, afinal, o que é a Adolescência?


“A palavra adolescência tem origem no verbo latim adolescere, que significa crescer, ou crescer até a maturidade, resultando em transformações de ordem social, psicológica e fisiológica”


A Adolescência é uma etapa intermediária do desenvolvimento humano, entre a infância e a fase adulta. Este período é marcado por diversas transformações corporais, hormonais e até mesmo comportamentais.
Não se pode definir com exactidão o início e fim da adolescência, no entanto, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), ela ocorre entre os 10 e 20 anos de idade.
Muitas pessoas confundem adolescência com puberdade. A puberdade é a fase inicial da adolescência, caracterizada pelas transformações físicas e biológicas. É neste período que o corpo se desenvolve fisicamente e mentalmente. Esta não deve ser confundida como sinónimo da adolescência, uma vez que a puberdade faz parte da mesma.